sexta-feira, 25 de março de 2011

Bullying - Meu teto não é de vidro

Estamos acostumados a ouvir essa palavra, assistir reportagens sobre o mesmo, mas claro nunca imaginamos que vai acontecer com nossos filhos, pois é infelizmente aconteceu com meu filho e não desejo nem que ele ou qlqr pessoa passe por isso.

As crianças da escola sempre bateram no Gui (6 anos) por ele ser muito quieto, em casa ele não brinca com crianças, eu não conheço meus vizinhos, não fico na rua, nem na calçada com meu filho, sempre me afastei de vizinhos por ver sempre  brigas, gritarias, palavrões, fofocas o que nunca foi bom pra mim, nunca será bom para o meu filho então evito pra não ter que remediar depois.

Voltando ao que interessa, ano passado na escola tinham crianças que xingavam e colocavam apelidos no meu filho e  um menino agressivo, ele quase quebrou o dedo da professora por que ela chamou atenção dele por quebrar o lápis na fechadura da porta, essa mesma criança agredia meu filho diariamente  enfiava o lápis no Gui durante as aulas entre outros tipos de violência, por que meu filho tem o cabelo grande. Cansada de saber que meu filho apanhava por não ser igual aos outros (o que ninguém é), eu extravasei na reunião de pais tentei ser coerente e agressiva não com palavrões e gritos, mas questionando a educação que os pais dão aos filhos, enfatizei o fato de toda criança ser diferente, perguntei se teria que cortar o cabelo do meu filho por que os pais não ensinam aos seus filhos que a diferença é marcante nesse mundo principalmente no nosso país que tem uma diversidade encantadora, perguntei se teria que tirar toda educação que apliquei ao meu filho e teria que ensina-ló a ser bossal e retribuir as pancadas que recebia todos os dias. Claro que as mães no momento me apoiaram, mas a mãe da criança que agredia meu filho tentou se justificar dizendo que a professora nunca conversou com ela sobre o mesmo e que o filho não era violento em casa um fato que a própria a avó da criança desmentiu falou sim que ele é uma criança mimada e agressiva, a professora tentou ficar neutra na situação o que achei muito covarde da parte dela, afinal ela está ali pra ajudar a criança pra ajudar essa mãe a conhecer o filho, ao termino da reunião colocamos o Gui e a outra criança de frente e conversamos explicando sobre as diferenças etc., na aula a  professora usou um livrinho muito bom Racismo no Galinheiro, de Nilda Lage, começou a incentivar a união das crianças pedindo que um ajudasse o outro quando terminasse primeiro a lição…

Dias depois essa mesma mãe veio conversar comigo chorando por que já não sabia o que fazer por que até grupo de oração ela fez em casa pra criança deixar essa agressividade, conversamos bastante tentei mostrar meu ponto de vista, não é oração que vai mudar o comportamento de uma criança de 6 anos que precisa extravasar toda energia que naturalmente toda criança tem, mas nem todas expressam da mesma forma, começamos a conversar todos os dias com eles na saída da aula, e esse menino parou de agredir meu filho, por fim ela esse ano trocou o menino de escola, sinceramente não sei se é essa a saída, a menos que ela trabalhe dia a dia pra ajudar o filho.

As professoras também tem que dar mais atenção as crianças todos os dias eu perguntava como foi o dia e quando ele falava que tinha sido agredido tanto dentro da sala de aula ou no recreio eu perguntava se ele tinha chamado a professora, ele respondia que sim , mas que ela não fazia nada. Eu conversei com ela, ela tentou se justificar dizia que o Gui era muito quietinho e sentava no mesmo lugar desde o primeiro dia de aula coisa que a outra criança não fazia, não aceitava as condições ou castigos impostos por ela, então eu pedi pra ela mudasse meu filho de lugar ele não iria ficar chateado por trocar de lugar ao invés de apanhar e ser espetado por lápis todos os dias. Não quero que o meu filho tenha toda a atenção voltada pra si, não quero que tenha tratamento especial, só peço atenção, por que eu pago escola pra evitar esses acontecimentos, se fosse pro meu filho ser agredido eu o deixaria solto na rua.

Esse ano aconteceu novamente com outra criança maior que ele, mas eu resolvi de outra maneira, conversei diretamente com a criança que tentava me intimidar com olhar e cara de mal  (pedi ao meu marido pra ir um dia na escola ver como a criança me olhava e olhava pro Gui, pra ele ver que não era exagero e como uma criança pode ter uma característica forte como de adulto) perguntei a ele por que ele bateu no meu filho ele deu umas desculpas de criança, falei pra ele que se o Gui falasse qualquer coisa que ele não gostasse que ele chamasse a professora ou quando me visse no horário da entrada ou da saída viesse me contar que eu em casa colocaria o Gui de castigo, por que ninguém tem o direito de bater nele ou em nenhuma outra criança e ficamos ente tendido o menino não bate mais no meu filho, chego falo com a criança faço sinal de legal ele responde, não tenta mais me ameaçar com o super olhar.

Então pais vamos ficar atentos ao dia a dia dos nossos filhos, ontem nem precisei perguntar ao Gui como foi a aula ele já me encontrou na portaria falando. ele estava empolgado não era a mesma criança que outro dia me pediu pra abandonar a escola.

Professores prestem atenção as crianças, ouçam o que elas tem a dizer, não deixa de ser um pedido de socorro e vocês ignoram por serem crianças, não vamos esperar ser tarde de mais pra colocar a mão na testa e se perguntar onde errei?

26 comentários:

  1. Coitadas das pessoas que sofrem com este mau!!! Assisti um vídeo em que um menino revidou as agressões, e sinceramente...bem feito pro guri!!!

    ResponderExcluir
  2. Também assisti esse vídeo fiquei chocada. Assisti depois a entrevista com o Casey Heynes, o Zangief Kid, que ficou famoso após revidar a agressão de um garoto na escola, conta que o que aconteceu não foi um fato isolado, mas sim o resultado de anos de perseguição na escola. Após ter ficado sem amigos, ser humilhado diariamente na escola e ter até mesmo pensado em suicídio, o garoto decidiu que não passaria mais por isso, e então agarrou Richard Gale e jogou-o no chão.

    Mais que um simples garoto que revida um soco, Casey tornou-se um ícone para todos os outros que passam pela mesma situação. Um herói, um exemplo a ser seguido, uma prova de que todos os que são vítimas de bullying podem dar a volta por cima.
    Violência só gera violência,mas infelizmente é um bom exemplo para os pais darem mais atenção aos filhos tanto os agredidos e principalmente aos agressores.

    ResponderExcluir
  3. Ah, minha amiga...eu também sofri MUUUITO com isso, por uma adolescência inteira, e nem sempre é fácil segurar a barra. Não permita mesmo que aconteça!

    ResponderExcluir
  4. rapaz... nao tenho filhos(ainda), mas deve ser uma situaçao mto dificil, sempre fui uma criança mto timida, qnd pequeno, ficava na sala sozinho no intervalo, nao costumava conversar com ngm, mas nunca sofri nenhum tipo de agrassao ou ameaça... acredito q como mãe e a propria criança ai, deve ser no minimo uma situaçao estressante.

    Mas uma conversa franca com os país e a propria criança pode resolver, e em alguns casos um acompanhamento psicologico.

    ResponderExcluir
  5. lol o template, confortavel.
    @post
    bullying eh pra idiotas u_u
    eu mato quem pratica.
    rs u.u

    ResponderExcluir
  6. Certamente essas crianças agem dessa forma, refletindo o que elas veem ou passam no dia a dia, e extravasam isso nos colegas de escola, e sempre o mais quietos e fracos, isso é desleixo dos pais que não dão a atenção necessária aos seus filhos, preferem ver novela, ou bater papo ou beber uma cervejinha, "Falo isso pq já vi" e largam as crianças a Deus dara, e quando deliberam alguma atenção é pra gritar com a criança.
    Eu sendo bem conhecedor da natureza humana "pode acreditar" tenho medo é do Gui revidar essas agressões, sem demagogia ELE È MUITO INTELIGENTE, e ele não simplesmente furar com um lápis ou empurrar ou coisa e tal, ele vai bolar uma coisa tão meticulosa, que certamente vão achar que foi os pais que mandaram ele fazer tal coisa. Eu quando passei por isso abri a cabeça do meu suposto amigo de escola com uma cadeirada, depois agarrei ele pelos pés mesmo com a cabeça sangrando e arrastei ele até as escadas da escola e empurrei ele escada abaixo, até hoje essa história e contada no Costa e Silva, eu usava óculos fundo de garrafa, era magrelo e o melhor aluno da escola inteira, consequência passei como maluco niguem nunca mais mexeu comigo e pedirão pra minha mãe mandar eu fazer acompanhamento psicológico. Acho que os pais dessas crianças deveriam tomar uma surra como se ainda fossem criança pra aprender a lidar e dar atenção a seus filhos.

    ResponderExcluir
  7. Fui buscar o Gui agora na escola e ele está muito feliz, falou que o menino com quem eu conversei, o ajudou hoje no teste e agora são do mesmo clube(palavras do Gui). Fico muito feliz em saber que faço diferença na vida do meu filho e dos filhos dos outros. Parece até que ele sabia que eu estava escrevendo sobre ele.

    ResponderExcluir
  8. Ameiiiiiiiiii seu blog!!!!!
    muito legal
    e DIGA NÂO AO BULLYING MEESMOO!!!

    ResponderExcluir
  9. É isso ai,nossos filhos são presentes de Deus, temos que cuidar,educar,amar e defender.......
    Minhas filhas foram taxada como bonecas de cristaleira por não deixa-las na rua e nem socada na casa dos outros, mas não me arrependo de ter criadas como criei, com uma liberdade vigiada,pois nunca tive problemas com elas, hoje são adultas e sabem se relacionar com todos
    Educação é a longo praso e começa des de bebe

    DIGA NÃO AO BULLYING,.... ISSO É FALTA DE EDUCAÇÃO E RESPEITO.......RESPEITO E BOM, PARA O SOCIAL E PRA SAÚDE, VIU O RESULTADO DO GAROTO DEPOIS DO BULLYING.?

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Boa maria...que realmente sirva de alerta msm..
    eu tbm sempre pergunto para a Brenda se foi tudo tranquilo na escola, no curso ou em qlqr lugar q ela vai...

    ResponderExcluir
  12. É essa enfermidade social o BULLYNG, SO TEREMOS MELHORAS NELA COMO NÓS COMEÇARMOS REALMENTE FAZER DIFERENÇA NA EDUCAÇÃO DE NOSSOS FILHOS ENSINANDO A ELES RESPEITO, DANDO A ELES RESPONSABILIDADES SOCIAIS, ENSINANDO A ELES DESDE PEQUENOS QUE TUDO QUE FAZEMOS INDEPENDENTE DA IDADE TEM CONSEQÜÊNCIAS
    PAIS VAMOS EDUCAR NOSSOS FILHOS COM AMOR RESPEITO E EXEMPLO DE VIDA!
    BJOS!! GOSTEI BASTANTE

    ResponderExcluir
  13. Em preimeiro lugar quero dizer que adoro seu blog e sou inteirada nele.Adoro a maneira como vc coloca a situaçao cotidiana.
    Realmente este e um tema delicado e que deve ter um chamado urgente, afinal sao essas crianças que governarao nosso Pais.O preconceito deve ser extirpado desde cedo para que quando se cresça se tenha maior concientizaçao..A conversa e a base de tudo e quando falta o dialogo ai vem a agressao.
    Vamos dar um basta ao BULLYING!!!

    ResponderExcluir
  14. Muito bacana seu blog, parabéns.
    Com relação ao Bullying, é chato falar né. è uma forma de preconceito, racismo e diferenças, coisas que nosso país deveria ser mais rígido.
    Porém, infelizmente, não vamos conseguir nada com a ajuda de nossos governantes.
    Temos que ser a mudança que queremos que o mundo tenha!

    ResponderExcluir
  15. Obrigado por comentar em meu blog,o Seu blog tbm é muito bom e intereçante ^^
    abraço

    ResponderExcluir
  16. muito bom vc tratar sobre um tema tão polemico.
    tb sofri com isso quando era menor.
    Otimo blog.

    ResponderExcluir
  17. Olha sinceramente, isso deveria ser levado mais a sério... muitas pessoas sofrem por não ter por onde recorrer!
    Parabéns pelo blog seguindoo..

    http://vanessasenabraga.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Eu tenho amigos muito próximos que sofreram bullying de criança.. até hoje é possível ver os efeitos, as dúvidas, a luta por uma boa auto-estima...
    Esta é uma situação que exige a atenção e o empenho de todos - mães, pais, professores, amigos - para resolvermos!

    Belo post!

    ;D

    ResponderExcluir
  19. eu acho ki educação realmente vem de casa, mas os professores, inspetores e diretores devem ter total controle de violÊncia na escola e autoridade de repreensão.
    admiro por você defender seu filho, e não cruzar os braços diante dessa situação



    http://www.diariodagarotadevariasfaces.blogspot.com/
    sigo quem me segue e retribuo comentários

    ResponderExcluir
  20. isto deveria ser crime...
    mas, como alguns dizem é quase uma pratica comum, entre pessoas com preconceito.

    ResponderExcluir
  21. Ameiiiiiiiiii seu blog!!!!!
    muito legal
    e DIGA NÂO AO BULLYING MEESMOO!!!2

    *Visite meu blog* http://beyoncealways.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  22. O que eu acho curioso é que nas escolas situações como essas são encaradas como 'coisa de criança', consideradas irrelevantes e as professoras acham que não prejudicam.
    Sou Psicóloga e vejo que, muitas vezes, fatos pequenos (ou assim considerados pela sociedade) podem levar a mais problemas ou maiores problemas que questões consideradas graves. E isso se dá justamente por não haver nenhuma tentativa de resolução: se é 'coisa de criança', não vale a pena mexer nisso; daí pro caos é um pulo!
    Você teve atitude mais que adequada! Que todos tenham essa capacidade de buscar solucionar, preservando a criança de traumas posteriores.

    ResponderExcluir
  23. muito bom ter tocado no assunto. Eu já fui vitima e sei o qunto isso pode ser prejudicial a vida da criança!!
    Isso não é brincadeira de criança não gente, é muito sério e causa muitos problemas!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  24. acho que isso é uma coisa que sempre aconteceu e com certeza vai ser assim pelo resto da humanidade.

    ResponderExcluir
  25. Tô adorando seu blog. Algumas discussões são bem pertinentes. Mas, Maroca, você nunca parou para pensar que, talvez, a professora tenha agido de forma "covarde" por se sentir inibida para agir de maneira mais enérgica com crianças que tem esse tipo de comportamento por temer ter problemas com os pais dessa criança? Eu, particularmente, venho notando que é cada vez mais complicado para um educador repreeender hoje em dia uma criança mal comportada porque, muitas vezes, os pais, ao invés de apoiarem a atitude tomada pelo professor, voltam-se contra ele e, consequentemente, contra a escola, trazendo, muitas vezes, sérias dificuldades à entidade educacional.

    Você lembra dos problemas que uma professora teve porque obrigou um grupo de alunos que haviam pichado o muro recem -pintado do colégio a pintá-lo novamente? Pois é! Os pais , algumas pessoas da sociedade e alguns juristas se posicionaram contra a ação da professora, todos alegando que ela, ao tomar a referida medida, havia constrangido os adolescentes. No final, quem saiu como ruim foi a professora.

    Agora imagina uma professora que toma medida mais enérgicas contra uma criança e os pais entendem isso como constrangimento? A escola pode ser até processada. Tudo hoje é constrangimento...... Já vi um pai se sentir ofendido e ir tomar satisfações com um professor só porque este havia falado que o seu filho estava " berrando". O pai se sentiu profundamente ofendido com essa fala do professor.....

    Talvez seja por isso que muito educadores, frente a um problema desses, prefiram permanecer neutros... Infelizmente..

    ResponderExcluir

Comentar não machuca o dedo e alegra um blogueiro... XOXO.